Tática no Futebol – Fatores de Jogo

Se todas as batalhas dos homens se dessem apenas nos campos de futebol, quão belas seriam as guerras.” (Augusto Branco)

Fatores do jogo de futebol são os meios que os jogadores utilizam nas fases do ataque ou da defesa, tendo em conta a aplicação dos respetivos princípios.

Eles dividem-se conforme os Processos de jogo, a parte Ofensiva, ou de Ataque e Defensiva, ou da Defesa e dentro de cada Processo existe as 3 seguintes ações:

  1. Ações Individuais Técnicas
  2. Ações Coletivas Elementares
  3. Ações Coletivas Complexas

Ataque

Ações que tem como objetivo a conservação da bola, a progressão desta no terreno e a finalização.

1. Ações Individuais Técnicas

– Passe

O passe é considerado o elemento fundamental básico de colaboração entre os jogadores da mesma equipa, sendo imprescindível para a execução dos objetivos táticos do ataque.

  • Componentes Críticas:
  1. Cabeça levantada e olhar dirigido para o local do passe;
  2. Tronco ligeiramente inclinado à frente;
  3. Pé de apoio colocado ao lado da bola;

– Receção

Permite que o jogador tenha tempo e o espaço suficiente para executar os seus comportamentos técnico-táticos e também uma melhor ligação com as ações técnico-táticas subsequentes ao controlo da bola;

  • Componentes Críticas:
  1. Olhar dirigido para a trajetória da bola;
  2. Tronco inclinado à frente;
  3. Deslocamento na direção da bola;

 – Condução, Drible, Finta, Simulação

Condução: É a ação técnica de progressão no terreno de jogo, como bola controlada;

Drible: É a ação técnica de ultrapassar com a bola controlada o adversário direto, existindo contato físico;

Finta: É a ação técnica de ultrapassar com a bola controlada o adversário direto, não existindo contato físico;

Simulação: É a ação técnica individual, realizada por qualquer segmento corporal, tendo por objetivo desequilibrar ou ludibriar o adversário direto de forma a ultrapassá-lo;

  • Componentes Críticas:
  1. Levantar a cabeça;
  2. Conduzir a bola com o pé afastado do adversário;
  3. Proteger a bola com o corpo;
  4. Mudar de repente de direção e aumentar a velocidade;

– Remate

Entendesse por remate, toda a ação técnico-tática exercida pelo jogador sobre a bola, com o objetivo de a introduzir na baliza adversária.

  • Componentes Críticas:
  1. Tronco inclinado à frente;
  2. Perna de apoio ligeiramente fletida, colocada lateralmente em relação à bola, com pé orientado para o alvo;

– Princípios Fundamentais da Fase Ofensiva

  • Penetração
  • Cobertura ofensiva
  • Mobilidade
  • Espaço
  • Unidade Ofensiva

2. Ações Coletivas Elementares

– Desmarcação

Ações desenvolvidas pelos jogadores da mesma equipa, no momento em que a mesma entra na posse da bola, ocupando, por um lado, lugares adequados para oferecer linhas de passe e ajudas ao portador da bola, e por outro lado, desenvolvendo deslocamentos que perturbem e afetem o equilíbrio defensivo da equipa adversária.

Componentes críticas: O jogador sem posse da bola deve ter uma ação rápida de procurar fugir à marcação do seu adversário e, com isso, criar linhas de passe e ocupar um espaço livre para onde os colegas possam enviar a bola com mais segurança;

As desmarcações podem ser:

De apoio: São as acções em que os jogadores da equipa de posse de bola o apoiam, no cumprimento de um objetivo fundamental do ataque -a manutenção da posse de bola. São movimentações que se realizam, fundamentalmente por uma aproximação, ao companheiro com bola, visando posições facilitadoras acessíveis para qualquer eventualidade de passe;

De rotura: São as acções realizadas pelos jogadores da equipa de posse da bola, tanto em diagonal como perpendicularmente e em direção à baliza do adversário. Tem como objetivo imediato e fundamental do ataque a progressão/finalização

– Combinações

Combinações Táticas Simples (combinações a dois ou passa e corre)

As combinações simples, são geralmente usadas por dois jogadores contra um adversário apenas. Através dum passe, ambos os jogadores criam duas linhas, uma de progressão sem bola e uma de condução de bola, obrigando o adversário a fazer uma escolha. Se o adversário escolher o que tem a bola, o portador da bola pode devolvê-la. E se o defesa decidir marcar o jogador que não tem a bola, o portador da bola tem espaço livre para progredir com a mesma. O que acontece durante este tipo de combinação?

     O portador da bola concentra a ação e atenção do adversário direto;

     Decide se vai passar a bola para o companheiro em apoio

     Se passar a bola, desmarca-se para um espaço livre; caso contrário, não havendo a ligação dos dois companheiros através do passe, progride com a bola ou finaliza

Combinações diretas (combinações a dois passa, corre e recebe)

Este tipo de combinações é mais complexo do que as combinações simples e ocorrem em situações de dois jogadores contra dois da equipa adversária. Geralmente, ocorrem na faixa do meio-campo, durante a construção do processo ofensivo, principalmente quando a equipa acelera o ritmo de jogo. O objetivo principal não é iludir ou fazer confusão a um adversário, mas ultrapassar rapidamente os dois de forma imprevisível. O primeiro portador passa a bola, e recebe a mesma logo a seguir após fazer uma movimentação para um espaço não ocupado por um adversário. Assim se sucede o movimento através uma representação gráfica:

  • O Portador da bola fixa a atenção e a ação do adversário direto;
  • Executa, num momento oportuno, um passe para um companheiro em apoio;
  • Desmarca-se em rutura, de imediato, para um espaço livre onde receberá a bola do companheiro que participou na combinação entre os dois.

Combinações Indiretas (combinações a três)

Este é o modelo ideal de combinações entre jogadores da mesma equipa que uma equipa de futebol deve ser capaz de realizar em campo. Se em primeiro lugar, as combinações simples estão bem estudadas, e em segundo lugar as combinações diretas também estão bem estudadas, em terceiro lugar surge uma “combinação de combinações”. As combinações indiretas são praticadas pelas equipas, tanto para ultrapassar adversários diretos o mais rapidamente possível, como para iludir os adversários. Servem também para posicionar os atacantes envolventes nessas combinações em posições mais adequadas, como livres de marcação ou em espaços livres para explorar. O que acontece nessas situações:

  • O portador da bola, como nas outras combinações, fixa a atenção e a ação do adversário direto;
  • Executa, no momento correto, um passe para um companheiro em apoio e desmarca-se para um espaço livre.
  • O novo portador da bola, não a devolve para o antigo portador, mas para um terceiro companheiro, que surge desmarcado numa posição favorável para a continuação da jogada. O movimento do terceiro jogador é indireto do movimento do primeiro portador da bola.

– Compensações/Permutas

Para (Gomes, 2015), as compensações ou também conhecidas como permutas “são ações efetuadas pelos defesas para cobrir e ocupar espaços e assumir funções de outros companheiros envolvidos momentaneamente na realização de outras funções”

  •  Assegurar a ocupação racional do terreno de jogo;
  • Conferir segurança defensiva;
  • Assegurar a repartição equilibrada do esforço dos jogadores;

Por outro lado, compensar significa não só promover uma ocupação racional do espaço de jogo, procurando contribuir para a qualidade de cada um dos momentos de organização, mas também antecipar os momentos seguintes, mantendo a equipa equilibrada ora defensiva, ora ofensivamente.

3. Ações Coletivas Complexas

  • Tarefas e funções de interligação coletiva;
  • Esquemas Táticos;
  • Circulações Táticas – Sistemas Táticos;
  • Métodos de jogo Ofensivo
    • Princípios Específicos Ofensivos;
    • Bolas Paradas Ofensivas;
    • Contra-Ataque;
    • Posse de Bola;
    • Ataque Organizado/Posicional;
    • Ataque Rápido;
    • Recuperação Defensiva;
    • Transição em Progressão (Jogador faz rápida condução de bola);
    • Transição em profundidade (Passe Direto);
    • Transição em Espaço/Largura (Corredor contrário, passe curto/longo);
    • Transição em Segurança (Manter Posse de bola, passe curto);

Defesa

Ações que têm como objetivo a interrupção do processo ofensivo do adversário, a proteção da baliza e a recuperação da bola;

1. Ações Individuais Técnicas

– Desarme

  • Componentes Críticas:
  1. Colocar o pé perpendicularmente á direção do deslocamento da bola, de modo a bloqueá-la;
  2. Estar atento aos deslocamentos, quer da bola, quer do adversário;
  3. Intervir só quando tiver a certeza de que vai conseguir desarmar o adversário

– Marcação

É enquanto factor defensivo, a técnica mais importante para o cumprimento dos objetivos da defesa visando a anulação e cobertura dos adversários e espaços livres. As ações de marcação devem iniciar-se imediatamente após a perda da posse de bola.

  • Tipos de Marcação:
    • Marcação ao Jogador com bola:
      • O portador da bola deverá ser sempre marcado homem a homem;
      • O defesa deverá colocar-se entre o portador da bola e a sua baliza;
      • Quanto mais perigosa a sua posição mais pressionante deverá ser a marcação;
    • Marcação ao Jogador sem bola:
      • A marcação será mais agressiva quando o adversário direto se aproximar da bola ou o portador da bola se aproximar do adversário direto, para não permitir a criação se uma situação de superioridade numérica;

– Princípios Fundamentais da Fase Defensiva

  • Contenção
  • Cobertura Defensiva
  • Equilíbrio
  • Concentração
  • Unidade Defensiva

2. Ações Coletivas Elementares

– Marcações

Didaticamente, no jogo de futebol, podemos dividir o Sistema de Marcação em quatro formas predominantes de aplicação:

A Marcação Individual tem como premissa a busca constante pelo “jogador a ser marcado” – o jogador “B” deve marcar o jogador “A” em todos os seus deslocamentos ofensivos; podendo ter como referencial não somente o jogador, mas também a “posição” do jogador (em outras palavras a marcação individual pode ser do tipo “homem a homem”;

A Marcação em Zona tem como premissa a otimização da ocupação dos espaços, impondo controle posicional regional e buscando obter vantagem numérica nos diversos setores do campo de jogo.

A Marcação Mista é aquela que tem como premissa a utilização da Marcação Individual e da Marcação Zona em situações diferentes e específicas do jogo, alternando-as de acordo com essas situações.

A Marcação Pressionante cria as condições mais favoráveis para a recuperação da posse da bola longe da nossa baliza defensiva aproveitando o desequilíbrio defensivo do adversário com transições/contra-ataques. Concretiza-se pela organização e reequilíbrio defensivo em bloco homogéneo, compacto e agressivo, diminuindo o espaço de jogo, “cortando” todas as possíveis linhas de passe em direção à baliza “fechar o jogo interior” de modo a diminuir a iniciativa e a rapidez do raciocínio/decisão técnico/tático do adversário obrigando a jogar para o lado ou para trás.

3. Ações Coletivas Complexas

  • Tarefas e funções de Controlo defensivo;
  • Esquemas Táticos;
  • Circulações Tácticas – Sistemas Táticos;
  • Métodos de jogo Defensivo
    • Princípios Específicos Defensivos;
    • Zonas de Pressão;
    • Organização do Bloco (Baixo, Médio, Alto);
    • Bolas Paradas Defensivas;
    • Marcação;
    • Recuperação defensiva;
    • Rotinas de Saídas (Diretas e apoiadas);
    • Transição em contenção (após perda da bola, efetuar pressão imediata ao portador da bola, permitindo a reorganização);
    • Transição em pressão (após perda da bola, efetuar pressão imediata de toda a equipa, tentando recuperar rápido a bola);
    • Transição em Organização (Após perda, a equipa faz rápida organização defensiva);
    • Transição em Perigo (recorre á paragem de jogo – falta);

Esta é a Ciência do Golo.