Entorse da Tibiotársica

Em um desporto como o futebol com golpes repetidos, mudanças de direção frequentes, acelerações e desacelerações, a articulação do pé é particularmente vulnerável.

Historicamente a entorse tibiotársica no futebol profissional é a lesão mais comum (cerca de 30% de
todas as lesões). Além da lesão, o índice de recidiva varia entre os 4 e 29% dos atletas que algumas vez tenham sofrido uma entorse. Esta percentagem traduz num período de paragem entre os 10 a 24 dias, podendo chegar aos 28 dias em lesões mais severas.

Em situação de jogo, a entorse da tibiotársica é mais frequente na segunda parte ou nos últimos minutos da primeira parte pelo qual atribuímos a fadiga neuromuscular como principal causa.

Descanso, aplicação de gelo e ligadura funcional são algumas das técnicas mais utilizadas para a recuperação numa fase inicial de tratamento.