Categoria: Psicologia

Ser o melhor!

Todos os jogadores que jogam futebol ou qualquer outro desporto querem ser um craque, ser um jogador habilidoso, que faz a diferença na sua equipa e levar o seu futebol ao mais alto nível. Mas, para que isso aconteça é preciso ter um árduo e longo trabalho.

Sendo assim, segue algumas dicas que podem ajudar a melhorar o seu desempenho no futebol:

1 – Acreditar em si e aceitar que quer ser um craque, isto é, para além de ser otimista, é encontrar uma forma de se relacionar consigo mesmo, aumentando a sua autoestima. Trabalhar a mente é um fator importante para qualquer pessoa que queira ter sucesso e alcançar o potencial. No futebol e na vida quotidiano, o saber estar ou “manter a sua cabeça no lugar” é uns dos instrumentos para alcançar o sucesso. É bom saber ganhar e perder.

2 – Treinar.

Trabalhar o seu ponto fraco para melhor o seu aperfeiçoamento com a bola e o posicionamento dentro do campo, para desenvolver a sua condição física e melhor as suas habilidades com a bola. Para ter uma melhor performance é preciso muito esforço, trabalho, treino, dedicação, vontade e a motivação.

3 – Ser humilde.

É uma qualidade que todos os indivíduos deveriam ter. Para um grupo, é importante encontrar/ter elementos que os constituem com essas características, uma vez que, contribui para um bom funcionamento do grupo e consequentemente para progressões dos seus elementos.

4 – Definir sua posição, nomeadamente onde deve jogar.

Permite ter um maior desempenho no seu futebol, correspondente com a sua habilidade. Sem autoconhecimento de si, pode desenvolver um conjunto de ideias negativas que contribuem para uma baixa autoestima, desmotivação e consequentemente um baixo rendimento ou até desistência.

5 – Ter uma boa alimentação e descansar bem. Cuidar do seu corpo/cuidar de si mesmo.

Para ser um bom jogador é preciso fazer sacrifício, ter paciência, e abdicar de alguns momentos, tais como, ir às festas, vidas noturnas, bebidas alcoólicas, drogas, entre outros fatores que podem por em causa o seu desempenho no futebol ou até à sua carreira.

Possíveis variáveis que pode condicionar o desempenho do atleta

O comportamento adotado por cada sujeito produz impacto diretamente na função que cada indivíduo desempenha. Este pode ser influenciado por fatores externos e internos.

O comportamento são conjuntos de ações/reações de um indivíduo, perante o meio que se encontra inserido. Existem alguns fatores que interfere de forma negativa na vida quotidiano de cada sujeito, a nível profissional, social e familiar.

Neste sentido, o futebol é uma profissão, no qual existem várias variáveis que pode influenciar o desempenho dos atletas, sendo que, a equipa técnica e a direção podem desempenhar um papel importante na identificação de alguns indicadores que pode por em causa o desempenho dos seus atletas, tais como:

– As rotinas diárias de cada elemento do grupo (principalmente horas de descanso diário);

– Uso de estupefaciente;

– Consumo de álcool frequentemente (neste caso, observar os comportamentos dos atletas nos treinos é um meio para perceber se existe este tipo de relação com o álcool);

– Problema familiar e social (se existir, mostrar sempre disponibilidade em ajudar);

– Alteração do comportamento nos treinos, tais como, se o atleta demonstra pouco interesse na realização de determinados exercícios;

– Falta de motivação;

– Se o atleta altera o seu estado emocional com muita facilidade (frustração);

– Faltar os treinos sem nenhuma razão específica, ou seja, sem justificação;

– Se o atleta queixa se de problemas familiar (tentar sempre perceber com o próprio o problema e os possíveis ajuda);

– Se existir “pequenos grupos” dentro da equipa;

entres várias outras variáveis que a equipa técnica pode observar junto dos seus atletas e ajudá-los a ultrapassar, para o melhor funcionamento e desempenho da sua equipa e dos seus atletas.

Perante estes variáveis supra mencionada ou entre outras, nunca se pode deixar o atleta sentir-se sozinho, o apoio do grupo torna se muito importante para ajudar ultrapassar o obstáculo.

A derrota

Ao contrário das vitórias, as derrotas, para além de perder os pontos, pode contribuir para uma baixa motivação dos atletas e do grupo em si, frustração, tristeza entre outros sentimentos de fracasso. Mas, é sempre bom lembrar que quem está a competir pode ser derrotado, e pode vencer também.

Perante uma derrota, o mais importante são as atitudes/ações que as equipas (atletas, treinadores, equipa técnica e a Direção) adoptam posteriormente. Aprender com a derrota é uma estratégia que pode ser adotada para obter um resultado positivo no futuro.

Nesse sentido, segue alguns exemplos de ações a adotar perante um resultado negativo:

  • analisar o que ocorreu mal, identificar os erros cometido e corrigi-los para não se repetir no futuro, (importante aceitar)
  • não individualizar para culpabilizar elementos do grupo
  • se for necessário alterar as estratégias, táticas e dinâmicas do treino e do jogo
  • encorajar e incentivar os atletas
  • utilizar o discurso sempre na primeira pessoa de plural “nós” e não “eu, tu ou vocês”
  • transmitir confiança para o grupo
  • transmitir a mensagem de forma clara e objetiva e verificar  se ela é  aceite pelo grupo
  • dar a palavra e ouvir os atletas
  • desafiar os atletas no sentido de melhorar a qualidade dos seus trabalhos (mais esforço, dedicação, concentração, ambição e foco)
  • ser otimista e acreditar na capacidade e qualidade do grupo
  • rever/estabelecer regras a ser compridas
  • manter o grupo como um “todo” e não como as somas das suas partes, isto é, manter o grupo unido.

Aceitação tornar-se importante no que diz respeita a aprendizagem, uma vez que permite ver as coisas como elas realmente aconteceram, evitando possível manipulação de lembranças na sua mente.

É possível aprender com as derrotas, tirar lições positivas delas, visando os objetivos da equipa, transformar a derrota numa das peças para alicerçar os seus sonhos.

Digo sempre, que o mundo está sempre em movimento e nos movemos nele, por isso, a derrota não é uma situação definitiva.

Como lidar com o problema das lesões

As lesões fazem parte das carreiras dos atletas e é preciso encarar-lhe de forma positiva. São momentos que nenhum atleta deseja enfrentar.

No desporto em geral, o fator sorte e azar são componentes que estão associados à competição. A lesão é considerada um azar, que pode causar impacto negativo na vida profissional dos atletas, pode contribuir  para uma baixa motivação e desequilíbrio emocional dos atletas (medo, baixa auto-estima, falta de confiança, maior probabilidade de contrair recaída da lesão, dificuldade em aceitar instrução do técnico, preocupação e entre outros comportamentos que dificulta o rendimento do atleta).

Sendo assim, para lidar da melhor forma com este azar, em que qualquer um  está sujeito, segue alguns conselhos para ultrapassar esse mau momento:

  • aceitar positivamente a situação, ser otimista
  • dedicar na qualidade e estratégia do treino
  • criar objetivos
  • procurar e confiar nos médicos e preparador físico
  • treinar e trabalhar a mente
  • cumprir com rigor o plano de recuperação.

Também, o papel do treinador para com atleta em fase de recuperação, é muito importante.

Segue algumas dicas para o treinador:

  • entender e compreender as diferenças individuais e emoções
  • treino específico e individual,
  • criar expectativas reais
  • evitar falar da lesão com muita frequência durante e pós treino
  • estar sempre em contacto com o atleta
  • demonstrar apoio e empatia, ter paciência, encorajar e motivar.

Estes são algumas indicações  para lidar com as lesões. O fator psicológico é um dos elementos fundamentais no desempenho dos atletas.

Resistência mental

Em geral, no desporto o fator mental e física são dois ferramentas de extrema importante na performance dos atletas. Estão ambos interligados. 

A resistência mental pode se dizer que é criar  uma mentalidade ganhadora/vencedora. Para ter uma mentalidade ganhadora, é preciso delinear um conjunto de ferramentas a utilizar. Isto envolve, traçar os objetivos, metodologia do treino, disciplina,  técnicas psicológicas  individual e grupal, medidas preventiva, dinâmicas e as táticas do jogo. 

Futebol é uma das modalidades que proporciona vários desafios aos atletas, a nível familiar, individual, social, no grupo de trabalho e durante a competição. O fator psicológico desempenha um papel importante nos atletas, que exigem algumas competências em determinada momento, tais como, antes da competição (preparação para jogo, a ansiedade ou nervosismo na aproximação da competição/jogo), durante a competição (capacidade de lidar e ultrapassar os desafios e de aproveitar as oportunidades) e pós competição (reflexão/introspecção, identificar os erros e corrigi-los).

Construir uma mentalidade ganhadora não é só ter  a vontade de vencer, é preciso ter em conta vários fatores, que são,  definição de objetivos, a autoconfiança, motivação, determinação, foco, objetividade, assertividade, saber lidar com a pressão, equilíbrio emocional, resiliência, saber ouvir, escutar, aceitar e acreditar. Esses conjuntos de fatores se for bem implementado pode potenciar um contributo positivo para o desenvolvimento do atleta, tanto ao nível físico, psicológico e no rendimento individual e da equipa. 

Pode se dizer que a saúde mental dos atletas influência a condição física e o desempenho dos atletas e que consequentemente produz efeito no rendimento da equipa.

Há um ditado que é Mente sã, corpo sã”. O poder que a nossa mente exerce na vida quotidiano do indivíduo, saúde física, no desempenho das tarefas, no comportamento, nas emoções e na performance dos atletas.

Concentração no futebol

Será que estamos sempre com atenção?

A concentração é uma característica psicologia fundamental no desporto e na nossa vida quotidiano. Somos confrontado diariamente com diversos estímulos que exigem de nós um determinado nível de atenção. Cada pessoa tem a sua capacidade de concentração, deriva muito das experiências e solicitações da sua vida pessoal e social.

No desporto, especialmente futebol, uma vez que é um desporto coletivo, requer-se-a um elevado índice de concentração e atenção quer a nível dos treinos, uma vez que são realizados vários tipo de exercícios com e sem a bola, tais como as dinâmicas e as táticas de jogos, exercícios de preparação física; e a nível da competição, uma vez que existe um objetivo do grupo, por exemplo, ganhar os jogos para conseguir alcançar os objetivos da equipa.

Para melhorar a atenção e concentração nos atletas, torna se importante que o treinador tenha conhecimento e capacidade de trabalhar individual e coletiva a concentração, principalmente as atividades que permitem melhorias na atenção, sem alterar as rotinas do treino, visualização e ensaio mental, estabelecer objetivo coletivo e individual, estabelecer rotinas pré-competitiva e competitiva, controlo visual, uso de palavras chave e controlo de ativação, isto é, controlar intensidade nos jogos.

A insuficiência de nível da concentração e atenção da equipa ou de um atleta pode ter uma influência negativa na produtividade final do grupo, tais como, perca de ponto, derrotas, perder uma final de taça, perder o campeonato, falhar passes e golos, entre outras.

A ansiedade

A ansiedade é um estado emocional de medo, agitação, apreensão, nervosismo, sensação de sofrimento e incerteza iminente, pressão, que são causados por fatores externos e internos. Também, pode se dizer que a ansiedade é uma resposta fisiológica que o
indivíduo apresenta em determinada situação dolorosa vivenciada, dessa forma, as dificuldades obtidas dependem muito da capacidade de superação de cada um (da personalidade de cada sujeito,fator físico e psicológico do indivíduo de auto-motivação…). Entretanto,
esse estado emocional pode ser de carácter temporário, que varia de intensidade ao longo do tempo vivenciado
no momento de apreensão, medo, nervosismo, tensão, entre outros.

A ansiedade manifesta-se em dois momentos. Antes de uma competição e pós competição. Segundo vários estudos realizados neste âmbito âmbito, é considerada “a pior ansiedade” sofrida por atletas aquela que surge antes da competição, uma vez que
pode causar influência directa no desempenho do atleta (é um dos factores com influência mais significativa na performance de atleta em qualquer tipo de atividade desportiva).

Ao verificar-se a influência das tensões no rendimento de um atleta, deve-se avaliar o estado emocional do atleta, bem como as condições físicas e necessidades psicológica; a natureza da situação/ansiedade; a interpretação que o atleta dá sobre
a situação em si ou como o atleta reage à tensão, medo ou nervosismo/pressão. Estes são fatores muito importantes para ajudar o indivíduo a ultrapassar o estado emocional adverso e aprender a lidar com determinadas situações (adquirir competências para
superar a ansiedade pré-competição).

Pode-se dizer que a ansiedade é uma expressão de personalidade de cada atleta, isto é, depende muito da maneira que cada indivíduo encara situações e do estado psicológico que se encontra. A ansiedade influencia o comportamento e o rendimento do
atleta numa competição.

Relalação treinador-atleta

Em qualquer tipo de relação a comunicação é uma ferramenta essencial para um bom funcionamento/entendimento. Assim, numa equipa a comunicação é um fator de extrema importância para a saúde do grupo. Ela deve ser feita de uma forma verbal e não verbal, uma vez, que a comunicação não verbal é pouca valorizada as vezes. É fundamental que esses dois meios de transmitir a mensagem seja congruente.

Um dos exemplos mais contraditório da comunicação no desporto, é quando um treinador pede um jogador ou equipa para ter calma aos gritos e com gestos exuberante. Isto pode causar um impacto negativo no jogador ou na equipa.

Desta forma, para além da valorização das competências técnicas e tácticas do jogo, deve se valorizar em primeiro lugar a comunicação, sendo que, é através deste meio que o treinador comunica às suas competências tácticas,
técnicas e as dinâmicas para cada jogo. Entretanto, é importante ter em conta os seguintes parâmetros da comunicação:

  • Comunicar e enviar mensagem de forma clara e eficaz (isto pode fazer a diferença entre o fracasso e sucesso, saber ouvir e escutar, demonstrar que está com a equipa/atleta).
  • Transmitir uma mensagem de cada vez, para que o receptor interpreta da melhor forma possível a comunicação transmitida.
  • Objetividade na mensagem transmitida e de forma direta.
  • Deve afirmar em primeiro lugar o que viu e só depois formalizar opiniões.
  • Evitar mensagem com duplo sentido ou  significado (por exemplo, evitar discurso tais como: és um bom atleta, mas este jogo não é para ti) .
  • As mensagens devem ser específicas e na sua totalidade para cada situação.
  • Divulgar a mensagem sempre na primeira pessoa (por exemplo “eu penso que” ou “eu acho que”, evitando o discurso do tipo “nos achamos que” ou “a equipa acha que”).
  • Optar por mensagem de apoio e não de reprimir.
  • Comunicar com mensagem de apoio a equipa e atleta.

A valorização da comunicação baseada nessas características são fundamentais para um bom funcionamento, união do grupo, demonstração de sentimentos e emoções, solidariedade entre os membros da equipa e fortalece a motivação individual e grupal.

Opta pela comunicação clara e eficaz, causador de um impacto positivo no outro.

Equipa como um todo

Trabalhar em equipe não é tarefa fácil, podemos até dizer que é bastante difícil pois, exige paciência, diálogo, aceitar e respeitar o outro.

Nunca nos podemos esquecer que uma equipa é feita de pessoas com opiniões, comportamentos e experiências de vida diferentes que devem ser respeitadas. Não obstante esta diversidade, é essa que constrói a personalidade do coletivo da equipa e que quando é bem trabalhada faz com que uma equipa seja unida e focada nos objectivos do grupo.

Saber conviver com as diversidades e ideias opostas é importante para o desenvolvimento pessoal e profissional de cada indivíduo. Ao respeitar a diferença, aproveitar a mesma, reconhecendo-a, é de suma importância para o resultado/sucesso individual e colectivo.

Nunca nos devemos esquecer que o estímulo para a união é indispensável para o trabalho em equipa, mas temos sempre que respeitar a individualidade.

Todos nós passamos por dias maus, fases menos motivadas, quando tal acontece cabe ao restante da equipa e seu líder apoiar esse momento menos positivo. Quando o individuo sente este apoio, o mesmo sente que o grupo funciona como um todo, tanto para os momentos bons e menos bons, daí a sua performance no coletivo será mais forte e unida.

A liderança

Antes de falarmos da
influência de um líder na sua equipa, devemos esclarecer o conceito de líder,
uma vez que o termo líder atualmente é usado no dia a dia sem o conhecimento do
mesmo.

O que é um líder:

O líder atrai, inspira e influencia
comportamentos que atraem bons resultados.

Ao contrário do que as
pessoas possam pensar liderar não é igual a autoridade. Na prática, um líder é
a pessoa que destaca de forma informal uma referência dentro do grupo que
motiva e serve de exemplo.

Dentro de uma equipa, o
líder tem a capacidade de envolver a equipa com o intuito de juntos poderem
alcançar os objetivos.

Existem pessoas que
possuem habilidades de liderança de forma natural, ao contrário de outros que
necessitam de aperfeiçoar.

Para se ser um bom líder
temos de ter em consideração algumas características:

·
Saber ouvir;

·
Ser transparente;

·
Saber trabalhar e envolver a equipa;

·
Ter paixão pelo que faz;

·
Ser humilde;

·
Acompanhar as mudanças;

·
Dar o exemplo;

·
Saber motivar;

·
Saber delegar.

Existem vários tipos de liderança:

·
Autocrática

·
Democrática

·
Liberal

Das três acima referidas a liderança democrática é a que demonstra os
melhores resultados, uma vez que ela estimula a participação do grupo na tomada
de decisões. Valoriza as contribuições da equipa aumentado assim a auto-estima
do grupo. Encoraja a participação de todos, interage de forma satisfatória e
tem o papel de facilitador, com o intuito de definir e resolver os problemas.

Agora que sabemos o que é a liderança vamos explicar o seu papel no grupo.

As pessoas seguem um líder com base na confiança, credibilidade,
competência e exemplo. Um líder deve investir no crescimento pessoal por forma
a motivar o crescimento coletivo. Um líder é capaz de transformar desafios em
oportunidades criando medidas eficazes para superar os mesmos.

Líderes de sucesso são capazes
de aumentar a produtividade da sua equipa, desenvolver competências
inspiradoras por forma a alcançar o sucesso coletivo. Para tal devemos ter em
consideração ações motivadoras que por vezes são menosprezadas, tais como:

1.      O líder deve estar presente e mostrar o seu apoio e interesse;

2.      O papel de cada um é fundamental para a estratégia do todo;

3.      Deve valorizar as ideias e iniciativas de cada individuo;

4.      Definir metas claras;

5.      Reconhecer os que se destacam, sem desvalorizar os restantes;

6.      Inspirar através do exemplo;

7.      Deve dar sempre feedback, no bom e no mau;

8.      Por ultimo, mas não menos importante celebrar as vitórias.

Em resumo, um líder deve: estar; mostrar; integrar; valorizar; oferecer;
definir; reconhecer; inspirar; retornar; celebrar. Trabalhar o grupo no sentido
em que cada elemento sente incluído e a importância que cada membro possui na
equipa.